sexta-feira, 25 de novembro de 2016

2016. Sucesso total do Black Year

2016. Sucesso total do Black Year


O Aécio Neves indignado com as gravações ocultas da fala de um presidente que um ministro teve a coragem de fazer! 

O fato em questão? bom, algo mínimo, "coisa pouca", tanto para o playboy derrotado nas urnas em 2014 como para o FHC. 

O nosso Príncipe dos Sociólogos ainda acrescenta que "ministros caem e são substituídos, normal", e o que interessa para ele é que estamos no meio do rio, e a "pinguela" que oferece o governo Temer é o que temos; fazer o que, caçaremos com gato, né?

E o que opinam os que apoiaram a queda da Dilma, as gravações vazadas entre Dilma e Lula? Não se sentem nem um pouco usados por este desgoverno corrupto eleito por 500 picaretas em contra da vontade de 54,5 milhões?

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Cartas

Photobucket - Video and Image Hosting

CARTAS  
Por Susana Diez de la Cortina Montemayor


Me gustan las cartas largas, íntimas y sinceras. 
Guardo las de mis abuelas, con su caligrafía antigua y picuda, atesoro las de amigos y novios, las de primos y hermanos,  las de desconocidos que me tratan de usted, las que me escribió un compañero de instituto desde la mili, o las de Santi, mi amigo del alma al que no he vuelto a ver… 
No me importa que sean en papel o electrónicas, pero admito que tengo predilección por  las cartas largas y sentidas, con chistes y dibujos en los márgenes, recuerdos a la  familia y besos en los finales, pequeños mapas del alma que alguien compuso sólo  para que pudiera llegar yo, cartas que alguien escribió  para mí sola, tomándose su  tiempo, el mismo que necesitará para leer y releer las mías… 
Detesto la racanería en  las palabras. No, nadie que quisiera conquistar mi corazón podría hacerlo sin haberme escrito antes largas cartas.
Contra la brevedad inhóspita de la vida, en tiempos de tuits, microrrelatos y emoticonos requiero las detalladas instrucciones de largas cartas  íntimas, guías para no perdernos en la Odisea ni errar por el Camino,  desorientándonos sin remedio en nuestra travesía, cartas que nos eviten tener que  llegar a reprocharnos: con mensajes tan cortos  y silencios tan largos  nos hemos convertido  en dos extraños.  

Susana Diez de la Cortina Montemayor es filóloga, directora académica de AulaDiez español online (www.auladiez.com) y autora de numerosos libros de poesía y gramática de español para extranjeros. 

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

"Dibujar historietas te hace sentir un poco Dios", por Hector Oscar Brondo



Parafraseando al chileno Pablo Neruda ("Puedo escribir los versos más tristes esta noche. Escribir, por ejemplo: la noche está estrellada, y tiritan, azules, los astros, a lo lejos"), el dibujante CRIST ilustra este artículo de 2012 del amigo Hector Oscar Brondo sobre Roberto Di Palma. - Comparto esta entrevista que le hice hace unos años en el stand de Luz y Fuerza en la Feria del Libro- dice Hector Oscar Brondo, y yo lo reproduzco acá. (JV)

"Dibujar historietas te hace sentir un poco Dios"

Hasta los 8 años, más o menos, tenía la cabeza llena de pájaros. No era un niño distraído, sino la distracción misma hecha niño. Sólo le llamaban la atención los sujetos animados que sobresalieran de la llanura circundante, más si eran vivarachos: gallinas, perdices, liebres, caballos. Se pasaba gran parte del día observándolos en campos de Río Segundo, su pueblo natal, y garabateándolos en el suelo con lo que tuviera a mano.
Recuerda que, en la infancia, hizo sus primeros esbozos “en serio” con un lápiz de carpintero, del tipo chato y con mina de grafito ancha y dura; se lo había hurtado a un tío que tal vez ejercía el oficio de Pedro.
Cuando se mudó con su familia a barrio San Martín, de la ciudad de Córdoba (su padre había conseguido un trabajo como peón en una fábrica de cerveza), les ofrecía a los vecinos hacerles los mandados, a cambio de que le dieran, como propina, el papel de estraza de los envoltorios de las compras.
“Alisaba bien las hojas de papel madera y allí dibujaba lo que se me ocurriera, con lápiz tinta, ¿te acordás?”, cuenta e interroga Roberto Di Palma. “Ese que le mojabas la punta con saliva, escribía de color azul y tenías que andar un rato largo si querías borrar las letras”, completa antes de conocer la respuesta del oyente y ensaya un amago de alborozo.
El dibujante, que llegó a convertirse en adlátere de Alberto Cognigni en la revista Hortensia, se define como “autodidacta y un enamorado de la historieta”.
Por culpa de un gorrión. Di Palma desempolva de la memoria una anécdota que señala como el punto de partida de su travesía apasionada por el mundo del cómic. “Había repetido primero inferior, en la Escuela Antonio del Viso, y Natalia “Tala” Trippel, una vecina metodista, me estaba dando una mano para ver si lograba arrancar en el colegio”, cuenta, con gracia. Aclara que la joven no era maestra sino sólo una muchacha diligente y servicial.
“No había poder de dios que me hiciera prestar atención a lo que me decía”, reconoce. “Mientras ella intentaba de mil maneras explicarme, yo miraba cómo un gusano verde y gordo bajaba por la parra y avanzaba, a paso arrugado, por las baldosas blancas y negras del piso de la galería, que parecía un tablero de ajedrez gigante”, describe la escenografía imaginaria con riqueza de detalles.
“En una de esas, sacó de una pila de historietas que leía el padre, un ejemplar de la revista El Gorrión y la dejó sobre la mesa. Ni bien vi la tapa, me deslumbró el dibujo de un indiecito que andaba con un cowboy”, evoca con nostalgia.
“Tala se dio cuenta y me dijo algo que me iluminaría el mundo para el resto de la vida”, comenta y hace un silencio con clara intención de intrigar a quien lo escucha. “El indiecito se llama Castorcito y si supieras leer, sabrías las cosas linda que cuenta”, apunta que lo desafió la docente vocacional.
Castorcito era el compañero inseparable de Red Ryder, un clásico del western impreso cuyo autor, Fred Harman, fue un creador de dibujos animados que se iniciara en el arte junto a Walt Disney. “Fue tal el entusiasmo que me despertó que dos o tres meses después leía casi sin dificultad y cuando tenía unos 10 u 11 años ya había leído La Ilíada y La Odisea”, dice.
También de esa época datan sus primeras experiencias como guionista y director de teatro.
“Me metí en la Acción Católica de la parroquia San Fermín, de barrio Los Paraísos, y una vez, con el fin de juntar fondos para hacer con el grupo una excursión al cerro Champaquí, escribí Los hijos de la pradera”, comenta con gracejo. Asegura que con Miguel Ángel “el Negro” Gutiérrez, amigo de la infancia, llevaron la obra al escenario de Los Salesianos y al del Colegio San José. “Lo que juntamos no nos alcanzó para hacer el viaje, pero nos divertimos mucho”, señala.
Poco después escribió una breve novela de piratas y concluyó la saga teatral con El sol de la legión . Esta novela narraba la lucha “entre los árabes infieles y la Legión Extranjera, que entonces pensaba que estaba integrada por soldados buenos”, dice, con una carcajada.
Asegura que aprendió de un hermano la técnica de cómo tenía que hacer las entradas y salidas en las obras, entre otras cosas. Se refiere a Julio “El cacique” Di Palma, reconocido actor que trabajara en Córdoba con Jaime Kloner y en los radioteatros de las tres grandes emisoras de Buenos Aires: Splendid, El Mundo y Belgrano. También actuó en televisión y en varias películas nacionales.
“Un día un compañero de la Acción Católica me dijo que estaría bueno que llevara esas aventuras a la historieta y así fue que empecé a dibujarlas y me di cuenta que era mucho más fácil que montar una obra de teatro”, plantea.
–¿Por qué es más fácil?
–Porque a los personajes los ponés donde querés, los vestís como querés y los hacés decir las cosas que querés que digan, como querés que las digan. No tenés que convencer a ningún actor para que interprete tus ideas como querés que lo haga. Dibujar historietas te hace sentir un poco Dios, porque sos el creador de todo.
Di Palma publicó en Padres e Hijos , Rico Tipo y Hortensia , entre otras. Al fenómeno editorial de humor cordobés lo dirigió tras la muerte de su creador, Alberto Pío Cognigni.
Por Héctor Brondo, publicado el 18/09/2012 en La Voz del Interior, Córdoba.


"Alberto Breccia, el obrero que se animó a pensar como poeta"

http://www.po.org.ar/…/alberto-breccia-el-obrero-que-se-ani…
Tomado de Eduardo Carbel

"El 10 de noviembre fue el "Día del Dibujante" conmemorando el fallecimiento de Alberto Breccia - 1919 - 10 de noviembre de 1993-, uno de los mayores representantes del dibujo y la historieta en Argentina.

Nació en Montevideo, y luego se muda con sus padres a Buenos Aires. Al final de los años 30 trabajaba como obrero en la industria de la carne, rasqueteando tripas en los frigoríficos de Mataderos. "Cuando terminaba la jornada en el matadero iba a mi casa y dibujaba lo que podía. Con esos balbuceos empecé a buscar trabajo", decía (Primer Plano, 23/1/94).


Poco a poco, se fue desarrollando como un gran artista en ese género marginado que aun hoy sigue siendo la historieta.

En 1960 su obra empezó a trascender fronteras y comenzó a publicar sus historietas en editoriales europeas. Breccia adapta para la historieta diversas obras literarias, desde H. P. Lovecraft hasta Ernesto Sábato. 

En 1962 con el escritor y guionista Oesterheld crean "Mort Cinder", "Vida del Che Guevara" (1968) y una nueva versión de "El Eternauta" (1969). Alberto se preocupaba por la realidad social, abordando su obra desde la ficción y la fantasía. 
Experimentando nuevas técnicas con total libertad lúdica, llegó a reconocer que utilizó hasta manubrios de bicicleta para dibujar.

"En eso consiste la historieta: en no limitarse a dibujar con un pincel y una pluma, que se pueda dibujar con un martillo o un palo, la cuestión es expresarse".


Junto al guionista Juan Sasturain crearon la historieta “Perramus” en 1983. Esta obra ridiculiza y a la vez denuncia la dictadura militar argentina, donde mezclaba personajes ficticios con otros reales abordando ese momento traumático desde el humor absurdo; ya terminada la dictadura militar, en 1989 obtuvo el premio Amnesty, en la categoría de “mejor libro a favor de los derechos humanos”.

La historieta no ha dado todo lo que tiene que dar (…) no puede ser tomada como un producto marginal y que pueda ser explotado de esa manera, condicionando al creador por políticas editoriales equivocadas o poco nobles; la historieta, el día que esté dibujada, guionada, editada, distribuida con amor va a ser un género digno; le falta todavía recuperar dignidad”. Esa misma dignidad que el sistema capitalista basado en el afán de lucro pisotea día a día.

Breccia fue un obrero, que con lápiz (o palo) en mano, se animó a pensar como poeta."

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

"Maria Louca", a alcunha de uma rainha demente. Por Bruno Diniz.

Foto

O amigo Bruno Diniz, especialista em selos, moedas, cédulas e histórias conexas - não é apenas numismático, mas mais do que isso, o que já não é pouco- vem me fazendo lembrar, insistentemente, do meu antigo hobby, nada profissional da minha parte, mas sim muito interessante no que se refere à história do dinheiro. 
Bruno publica no seu Blog que recomendo aqui. Vejam só uma amostra. (JV)


"MARIA LOUCA"
A alcunha de uma rainha demente #numismática #notafilia #filatelia

Antes de ser eternizada pelo sistema monetário colonial brasileiro, Dona Maria cresceu numa época em que seu país finalmente traçava planos e não media esforços para se modernizar. Seu pai, dom José I, concedeu plenos poderes ao controverso ministro Sebastião José de Carvalho e Melo, mais conhecido como marquês de Pombal, para tirar Portugal do atraso. A partir da metade do século 18, Pombal tentou racionalizar a economia e a sociedade portuguesas, estimulando as manufaturas, acabando com a discriminação aos cristãos-novos (judeus convertidos ao catolicismo) e expulsando os jesuítas de Portugal e suas colônias.

O marquês só não contava com a religiosidade de dona Maria I e seu marido, dom Pedro III. O primeiro ato da nova rainha, ao assumir o trono, em 1777, foi demitir o ministro e ordenar que ele deixasse Lisboa. Era o começo da chamada Viradeira, uma reação tradicionalista que tomou conta de Portugal naquela época, mas isto já é uma outra história... Voltando nossa atenção para D. Maria percebemos em várias publicações literárias que ela tinha visões e pesadelos, além de atitudes próprias e muito controversas, mas
devidamente entronada, D. Maria pôs-se a restaurar o poder e o prestígio que a Igreja tinha usufruído no país antes de Pombal fazendo isso como se fosse uma atitude fundamental para a salvação de sua alma.
Um aristocrata britânico de nome William Beckford, visitou Portugal antes da fuga da família real para o Brasil, registrou em suas memórias que a rainha tinha pesadelos e visões recorrentes envolvendo a alma de seu pai. Acreditava que o falecido rei tinha sido condenado ao Inferno por ter perseguido os jesuítas.

Alguns estudiosos crêem ser um dos indícios de que as alucinações fossem os primeiros sintomas da loucura que tiraria D. Maria a rainha mais tarde de seu trono. Mas foram duas tragédias reais, e não imaginárias, que tiraram a monarca de seu estado de sanidade. Primeiro, a morte do marido, em 1786; dois anos depois, a morte de seu filho mais velho e herdeiro, D. José. Aparentemente, foram as gotas d’água que faltavam para desestabilizar de vez o já precário equilíbrio mental de dona Maria I. Usando sempre enormes vestidos negros, ela corria de um lado para o outro por seu palácio, aos gritos de “ai, Jesus!”. Passou a seguir uma dieta, digamos, pouco ortodoxa (ostras com cevada, entre outras esquisitices) e a falar palavrões de modo incoerente.

Foi esse estado deplorável da mãe que levou o príncipe dom João a assumir o papel de regente. Após a cena de humor involuntário durante a fuga da família real (a rainha teria dito a seu cocheiro algo como “Mais devagar! Vão pensar que estamos fugindo!”), dona Maria foi instalada num antigo convento de frades carmelitas no centro do Rio de Janeiro. Passou a ser levada todos os dias para um passeio de carruagem, seguida por dois cavaleiros que carregavam água e uma escadinha, caso ela quisesse descer um pouco.

Para acalmar seus surtos paranoicos, a rainha gostava de serpentear pelos morros cariocas e contar as montanhas no horizonte, ou então de ser levada até a praia de Botafogo, onde contemplava o mar quebrando na costa por algum tempo. Às vezes, dizia a seus acompanhantes que o Demônio a estava espreitando atrás do Pão de Açúcar. Com poucas mudanças nessa rotina, ela acabaria morrendo em março de 1816.

Na numismática, D. Maria também é lembrada pela peça 6400 réis, D. Maria I, ouro, 1787, Bahia. Lembrando que a cunhagem de moedas de cobre com esse título, no entanto, só teve início em 1802 em Lisboa e, a de ouro a partir de 1805, nas Casas da Moeda da Bahia e do Rio de Janeiro. 

Fonte de pesquisa:
A vinda da família real portuguesa para o Brasil
Thomas O´Neil, José Olympio, 2007

quinta-feira, 10 de novembro de 2016

Invasões e golpes dos EUA pelo mundo durante três séculos

Resultado de imagem para guerra de vietnam fotos
Mais uma vez, como tantas outras, publico aqui a opinião ou o comentário de pessoas com as quais compartilho informações. A lista abaixo não inclui as últimas intervenções armadas dos dois governos do Partido Democrata de Obama, de 2007 até a presente data, mas elas estão em todos os noticiários e jornais do mundo.
Acrescento apenas, ao final do texto, um resumo rápido das ações militares e diplomáticas dos EUA de 2006 a 2014. (JV. SP, novembro de 2016)
Ver mais em:
https://actualidad.rt.com/actualidad/view/105080-congreso-eeuu-guerra-autorzacion-siria

http://desacato.info/historia-invasoes-norte-americanas-no-mundo/



Invasões e golpes dos EUA pelo mundo durante três séculos

Por Alberto da Silva Jones, publicado em 2007 no site do Centro de Mídia Independente / Brasil:

Entre as várias invasões e agressões cometidas pelas forças armadas dos EUA nos séculos XIX, XX e XXI, destacam-se:

1846/1848 - México - Por causa da anexação, pelos EUA, da República do Texas;
1890 - Argentina - Tropas desembarcam em Buenos Aires para defender interesses econômicos americanos;
1891 - Chile - Fuzileiros Navais esmagam forças rebeldes nacionalistas;
1891 - Haiti - Tropas debelam a revolta de operários negros na ilha de Navassa, reclamada pelos EUA;
1893 - Hawai - Marinha enviada para suprimir o reinado independente e anexar o Hawaí aos EUA;
1894 - Nicarágua - Tropas ocupam Bluefields, cidade do mar do Caribe, durante um mês;
1894/1895 - China - Marinha, Exército e Fuzileiros desembarcam no país durante a guerra sino-japonesa;
1894/1896 - Coréia - Tropas permanecem em Seul durante a guerra;
1895 - Panamá - Tropas desembarcam no porto de Corinto, província Colombiana;
1898/1900 - China - Tropas ocupam a China durante a Rebelião Boxer;
1898/1910 - Filipinas - Luta pela independência do país, dominado pelos EUA (Massacres realizados por tropas americanas em Balangica, Samar, 27/09/1901, e Bud Bagsak, Sulu, 11/15/1913; 600.000 filipinos mortos;
1898/1902 - Cuba - Tropas sitiaram Cuba durante a guerra hispano-americana;
1898 - Porto Rico - Tropas sitiaram Porto Rico na guerra hispano-americana, hoje 'Estado Livre Associado' dos Estados Unidos;
1898 - Ilha de Guam - Marinha desembarca na ilha e a mantêm como base naval até hoje;
1898 - Espanha - Guerra Hispano-Americana - Desencadeada pela misteriosa explosão do encouraçado Maine, em 15 de fevereiro, na Baía de Havana. Esta guerra marca o surgimento dos EUA como potência capitalista e militar mundial;
1898 - Nicarágua - Fuzileiros Navais invadem o porto de San Juan del Sur;
1899 - Ilha de Samoa - Tropas desembarcam e invadem a Ilha em conseqüência de conflito pela sucessão do trono de Samoa;
1899 - Nicarágua - Tropas desembarcam no porto de Bluefields e invadem a Nicarágua (2ª vez);
1901/1914 - Panamá - Marinha apóia a revolução quando o Panamá reclamou independência da Colômbia; tropas americanas ocupam o canal em 1901, quando teve início sua construção;
1903 - Honduras - Fuzileiros Navais desembarcam em Honduras e intervêm na revolução do povo hondurenho;
1903/1904 - República Dominicana - Tropas atacaram e invadiram o território dominicano para proteger interesses do capital americano durante a revolução;
1904/1905 - Coréia - Fuzileiros Navais dos Estados Unidos desembarcaram no território coreano durante a guerra russo-japonesa;
1906/1909 - Cuba -Tropas dos Estados Unidos invadem Cuba e lutam contra o povo cubano durante período de eleições;
1907 - Nicarágua - Tropas invadem e impõem a criação de um protetorado, sobre o território livre da Nicarágua;
1907 - Honduras - Fuzileiros Navais desembarcam e ocupam Honduras durante a guerra de Honduras com a Nicarágua;
1908 - Panamá - Fuzileiros invadem o Panamá durante período de eleições;
1910 - Nicarágua - Fuzileiros navais desembarcam e invadem pela 3ª vez Bluefields e Corinto, na Nicarágua;
1911 - Honduras - Tropas enviadas para proteger interesses americanos durante a guerra civil invadem Honduras;
1911/1941 - China - Forças do exército e marinha dos Estados Unidos invadem mais uma vez a China durante período de lutas internas repetidas;
1912 - Cuba - Tropas invadem Cuba com a desculpa de proteger interesses americanos em Havana;
1912 - Panamá - Fuzileiros navais invadem novamente o Panamá e ocupam o país durante eleições presidenciais;
1912 - Honduras - Tropas norte americanas mais uma vez invadem Honduras para proteger interesses do capital americano;
1912/1933 - Nicarágua - Tropas dos Estados Unidos com a desculpa de combaterem guerrilheiros invadem e ocupam o país durante 20 anos;
1913 - México - Fuzileiros da Marinha invadem o México com a desculpa de evacuar cidadãos americanos durante a revolução;
1913 - México - Durante a revolução mexicana, os Estados Unidos bloqueiam as fronteiras mexicanas;
1914/1918 - Primeira Guerra Mundial - EUA entram no conflito em 6 de abril de 1917 declarando guerra à Alemanha. As perdas americanas chegaram a 114 mil homens;
1914 - República Dominicana - Fuzileiros navais da Marinha dos Estados invadem o solo dominicano e interferem na revolução em Santo Domingo;
1914/1918 - México - Marinha e exército invadem o território mexicano e interferem na luta contra nacionalistas;
1915/1934 - Haiti - Tropas americanas desembarcam no Haiti, em 28 de julho, e transformam o país numa colônia americana, permanecendo lá durante 19 anos;
1916/1924 - República Dominicana - Os EUA invadem e estabelecem governo militar na República Dominicana, em 29 de novembro, ocupando o país durante oito anos;
1917/1933 - Cuba - Tropas desembarcam em Cuba e transformam o país num protetorado econômico americano, permanecendo essa ocupação por 16 anos;
1918/1922 - Rússia - Marinha e tropas enviadas para combater a revolução bolchevista. O Exército realizou cinco desembarques, sendo derrotado pelos russos em todos eles;
1919 - Honduras - Fuzileiros desembarcam e invadem mais uma vez o país durante eleições, colocando no poder um governo a seu serviço;
1918 - Iugoslávia - Tropas dos Estados Unidos invadem a Iugoslávia e intervêm ao lado da Itália contra os sérvios na Dalmácia;
1920 - Guatemala - Tropas invadem e ocupam o país durante greve operária do povo da Guatemala;
1922 - Turquia - Tropas invadem e combatem nacionalistas turcos em Smirna;
1922/1927 - China - Marinha e Exército mais uma vez invadem a China durante revolta nacionalista;
1924/1925 - Honduras - Tropas dos Estados Unidos desembarcam e invadem Honduras duas vezes durante eleição nacional;
1925 - Panamá - Tropas invadem o Panamá para debelar greve geral dos trabalhadores panamenhos;
1927/1934 - China - Mil fuzileiros americanos desembarcam na China durante a guerra civil local e permanecem durante sete anos ocupando o território;
1932 - El Salvador - Navios de Guerra dos Estados Unidos são deslocados durante a revolução das Forças do Movimento de Libertação Nacional - FMLN -
comandadas por Marti;
1939/1945 - II Guerra Mundial - Os EUA declaram guerra ao Japão em 8 de dezembro de 1941 e depois a Alemanha e Itália, invadindo o Norte da África, a Ásia e a Europa, culminando com o lançamento das bombas atômicas sobre as cidades desmilitarizadas de Iroshima e Nagasaki;
1946 - Irã - Marinha americana ameaça usar artefatos nucleares contra tropas soviéticas caso as mesmas não abandonem a fronteira norte do Irã;
1946 - Iugoslávia - Presença da marinha ameaçando invadir a zona costeira da Iugoslávia em resposta a um avião espião dos Estados Unidos abatido pelos soviéticos;
1947/1949 - Grécia - Operação de invasão de Comandos dos EUA garantem vitória da extrema direita nas "eleições" do povo grego;
1947 - Venezuela - Em um acordo feito com militares locais, os EUA invadem e derrubam o presidente eleito Rómulo Gallegos, como castigo por ter aumentado o preço do petróleo exportado, colocando um ditador no poder;
1948/1949 - China - Fuzileiros invadem pela ultima vez o território chinês para evacuar cidadãos americanos antes da vitória comunista;
1950 - Porto Rico - Comandos militares dos Estados Unidos ajudam a esmagar a revolução pela independência de Porto Rico, em Ponce;
1951/1953 - Coréia - Início do conflito entre a República Democrática da Coréia (Norte) e República da Coréia (Sul), na qual cerca de 3 milhões de pessoas morreram. Estados Unidos são um dos principais protagonistas da invasão usando como pano de fundo a recém criada Nações Unidas, ao lado dos sul-coreanos. A guerra termina em julho de 1953 sem vencedores e com dois estados polarizados: comunistas ao norte e um governo pró-americano no sul. Os EUA perderam 33 mil homens e mantém até hoje base militar e aero-naval na Coréia do Sul;
1954 - Guatemala - Comandos americanos, sob controle da CIA, derrubam o presidente Arbenz, democraticamente eleito, e impõem uma ditadura militar no país. Jacobo Arbenz havia nacionalizado a empresa United Fruit e impulsionado a reforma agrária;
1956 - Egito - O presidente Nasser nacionaliza o canal de Suez. Tropas americanas se envolvem durante os combates no Canal de Suez sustentados pela Sexta Frota dos EUA. As forças egípcias obrigam a coalizão franco-israelense-britânica, a retirar-se do canal;
1958 - Líbano - Forças da Marinha invadem apóiam o exército de ocupação do Líbano durante sua guerra civil;
1958 - Panamá - Tropas dos Estados Unidos invadem e combatem manifestantes nacionalistas panamenhos;
1961/1975 - Vietnã. Aliados ao sul-vietnamitas, o governo americano invade o Vietnã e tenta impedir, sem sucesso, a formação de um estado comunista, unindo o sul e o norte do país. Inicialmente a participação americana se restringe a ajuda econômica e militar (conselheiros e material bélico). Em agosto de 1964, o congresso americano autoriza o presidente a lançar os EUA em guerra. Os Estados Unidos deixam de ser simples consultores do exército do Vietnã do Sul e entram num conflito traumático, que afetaria toda a política militar dali para frente. A morte de quase 60 mil jovens americanos e a humilhação imposta pela derrota do Sul em 1975, dois anos depois da retirada dos Estados Unidos, moldou a estratégia futura de evitar guerras que impusessem um custo muito alto de vidas americanas e nas quais houvesse inimigos difíceis de derrotar de forma convencional, como os vietcongues e suas táticas de guerrilhas;
1962 - Laos - Militares americanos invadem e ocupam o Laos durante guerra civil contra guerrilhas do Pathet Lao;
1964 - Panamá - Militares americanos invadiram mais uma vez o Panamá e mataram 20 estudantes, ao reprimirem a manifestação em que os jovens queriam trocar, na zona do canal, a bandeira americana pela bandeira de seu país;
1965/1966 - República Dominicana - Trinta mil fuzileiros e pára-quedistas desembarcaram na capital do país, São Domingo, para impedir a nacionalistas panamenhos de chegarem ao poder. A CIA conduz Joaquín Balaguer à presidência, consumando um golpe de estado que depôs o presidente eleito Juan Bosch. O país já fora ocupado pelos americanos de 1916 a 1924;
1966/1967 - Guatemala - Boinas Verdes e marines invadem o país para combater movimento revolucionário contrário aos interesses econômicos do capital americano;
1969/1975 - Camboja - Militares americanos enviados depois que a Guerra do Vietnã invadem e ocupam o Camboja;
1971/1975 - Laos - EUA dirigem a invasão sul-vietnamita bombardeando o território do vizinho Laos, justificando que o país apoiava o povo vietnamita em sua luta contra a invasão americana;
1975 - Camboja - 28 marines americanos são mortos na tentativa de resgatar a tripulação do petroleiro estadunidense Mayaquez;
1980 - Irã - Na inauguração do estado islâmico formado pelo Aiatolá Khomeini, estudantes que haviam participado da Revolução Islâmica do Irã ocuparam a embaixada americana em Teerã e fizeram 60 reféns. O governo americano preparou uma operação militar surpresa para executar o resgate, frustrada por tempestades de areia e falhas em equipamentos. Em meio à frustrada operação, oito militares americanos morreram no choque entre um helicóptero e um avião. Os reféns só seriam libertados um ano depois do seqüestro, o que enfraqueceu o então presidente Jimmy Carter e elegeu Ronald Reagan, que conseguiu aprovar o maior orçamento militar em época de paz até então;
1982/1984 - Líbano - Estados Unidos invadiram o Líbano e se envolveram nos conflitos no país logo após a invasão por Israel - e acabaram envolvidos na guerra civil que dividiu o país. Em 1980, os americanos supervisionaram a retirada da Organização pela Libertação da Palestina de Beirute. Na segunda intervenção, 1.800 soldados integraram uma força conjunta de vários países, que deveriam restaurar a ordem após o massacre de refugiados palestinos por libaneses aliados a Israel. O custo para os americanos foi a morte 241 fuzileiros navais, quando os libaneses explodiram um carro bomba perto de um quartel das forças americanas;
1983/1984 - Ilha de Granada - Após um bloqueio econômico de quatro anos a CIA coordena esforços que resultam no assassinato do 1º Ministro Maurice Bishop. Seguindo a política de intervenção externa de Ronald Reagan, os Estados Unidos invadiram a ilha caribenha de Granada alegando prestar proteção a 600 estudantes americanos que estavam no país, as tropas eliminaram a influência de Cuba e da União Soviética sobre a política da ilha;
1983/1989 - Honduras - Tropas enviadas para construir bases em regiões próximas à fronteira invadem o Honduras;
1986 - Bolívia - Exército invade o território boliviano na justificativa de auxiliar tropas bolivianas em incursões nas áreas de cocaína;
1989 - Ilhas Virgens - Tropas americanas desembarcam e invadem as ilhas durante revolta do povo do país contra o governo pró-americano;
1989 - Panamá - Batizada de Operação Causa Justa, a intervenção americana no Panamá foi provavelmente a maior batida policial de todos os tempos: 27 mil soldados ocuparam a ilha para prender o presidente panamenho, Manuel Noriega, antigo ditador aliado do governo americano. Os Estados Unidos justificaram a operação como sendo fundamental para proteger o Canal do Panamá, defender 35 mil americanos que viviam no país, promover a democracia e interromper o tráfico de drogas, que teria em Noriega seu líder na América Central. O ex-presidente cumpre prisão perpétua nos Estados Unidos.
1990 - Libéria - Tropas invadem a Libéria justificando a evacuação de estrangeiros durante guerra civil;
1990/1991 - Iraque - Após a invasão do Iraque ao Kuwait, em 2 de agosto de 1990, os Estados Unidos, com o apoio de seus aliados da Otan, decidem impor um embargo econômico ao país, seguido de uma coalizão anti-Iraque (reunindo além dos países europeus membros da Otan, o Egito e outros países árabes) que ganhou o título de "Operação Tempestade no Deserto". As hostilidades começaram em 16 de janeiro de 1991, um dia depois do fim do prazo dado ao Iraque para retirar tropas do Kuwait. Para expulsar as forças iraquianas do Kuwait, o então presidente George Bush destacou mais de 500 mil soldados americanos para a Guerra do Golfo;
1990/1991 - Arábia Saudita - Tropas americanas destacadas para ocupar a Arábia Saudita que era base militar na guerra contra Iraque;
1992/1994 - Somália - Tropas americanas, num total de 25 mil soldados, invadem a Somália como parte de uma missão da ONU para distribuir mantimentos para a população esfomeada. Em dezembro, forças militares norte-americanas (comando Delta e Rangers) chegam a Somália para intervir numa guerra entre as facções do então presidente Ali Mahdi Muhammad e tropas do general rebelde Farah Aidib. Sofrem uma fragorosa derrota militar nas ruas da capital do país;
1993 - Iraque - No início do governo Clinton é lançado um ataque contra instalações militares iraquianas em retaliação a um suposto atentado, não concretizado, contra o ex-presidente Bush, em visita ao Kuwait;
1994/1999 - Haiti - Enviadas pelo presidente Bill Clinton, tropas americanas ocuparam o Haiti na justificativa de devolver o poder ao presidente eleito Jean-Betrand Aristide, derrubado por um golpe, mas o que a operação visava era evitar que o conflito interno provocasse uma onda de refugiados haitianos nos Estados Unidos;
1996/1997 - Zaire (ex-República do Congo) - Fuzileiros Navais americanos são enviados para invadir a área dos campos de refugiados Hutus;
1997 - Libéria - Tropas dos Estados Unidos invadem a Libéria justificando a necessidade de evacuar estrangeiros durante guerra civil sob fogo dos rebeldes;
1997 - Albânia - Tropas invadem a Albânia para evacuar estrangeiros;
2000 - Colômbia - Marines e "assessores especiais" dos EUA iniciam o Plano Colômbia, que inclui o bombardeamento da floresta com um fungo transgênico fusarium axyporum (o "gás verde");
2001 - Afeganistão - Os EUA bombardeiam várias cidades afegãs, em resposta ao ataque terrorista ao World Trade Center em 11 de setembro de 2001. Invadem depois o Afeganistão onde estão até hoje;
2003 - Iraque - Sob a alegação de Saddam Hussein esconder armas de destruição e financiar terroristas, os EUA iniciam intensos ataques ao Iraque. É batizada pelos EUA de "Operação Liberdade do Iraque" e por Saddam de "A Última Batalha", a guerra começa com o apoio apenas da Grã-Bretanha, sem o endosso da ONU e sob protestos de manifestantes e de governos no mundo inteiro. As forças invasoras americanas até hoje estão no território iraquiano, onde a violência aumentou mais do que nunca.

  • 2006 - Líbano, Destacamento de Fuzileiros dos EUA, iniciam a evacuação de cidadãos norte-americanos dispostos a deixar o país em face de uma invasão terrestre por Israel e o continuo combate entre o Hezbollah e as forças armadas israelenses.
  • 2007 - Somália: Batalha de Ras Kamboni, em 8 de janeiro de 2007, enquanto o conflito entre a União dos Tribunais Islâmicos e o Governo Federal de Transição continua, um caça AC-130 realiza um ataque aéreo contra um suposto agente da Al-Qaeda, juntamente com outros combatentes islâmicos, na Ilha Badmadow perto de Ras Kambonino sul da Somália.
  • 2008 - Ossétia do Sul, Geórgia: ajuda humanitária a Geórgia, ajudando a transportar as forças georgianas do Iraque durante o conflito. No passado, os Estados Unidos forneceram treinamento e armas para a Geórgia.

De 2010 a 2014


  • 2010-11 - Guerra no Iraque - Operação Novo Amanhecer: em 17 de fevereiro de 2010, o secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, anunciou que a partir de 1 de setembro de 2010, o nome "Operação Liberdade Iraquiana" seria substituído por "Operação Novo Amanhecer". Isto coincide com a redução de tropas americanas para 50.000.
  • 2011 - Líbia: Operação Amanhecer da Odisseia, as forças da coalizão impondo a resolução 1973 do Conselho de Segurança da ONU, com bombardeios às forças líbias.
  • 2011 - Osama bin Laden é morto por forças militares americanas no Paquistão como parte da Operação Lança de Netuno.
  • 2011 - ataques de drones contra militantes da Al-Shabab iniciam-se na Somália. Isto marca o sexto país em que tais ataques foram realizados  incluindo Afeganistão, Paquistão, Iraque, Iêmen e Líbia.
  • 2011 - Uganda: tropas de combate estadunidenses enviadas como conselheiros para Uganda.
  • 2012 - Jordânia: 150 soldados estadunidenses implantados na Jordânia para ajudar a conter a guerra civil síria dentro das fronteiras da Síria.
  • 2012 - Turquia: 400 soldados e duas baterias de mísseis Patriot para a Turquia para impedir quaisquer ataques de mísseis da Síria.
  • 2012 - Chade: 50 soldados norte-americanos destacados para o Chade para ajudar a evacuar os cidadãos e pessoal da embaixada estadunidense da capital Bangui da vizinha República Centro-Africana em face ao avanço rebelde em direção à cidade.
  • 2013 - Mali: as forças dos EUA ajudam os franceses na Operação Serval com reabastecimento em voos e aviões de transporte.
  • 2013 - Somália: aviões da Força Aérea dos EUA apoiam os franceses na tentativa de resgate de reféns de Bulo Marer. No entanto, não usaram armas.
  • 2013 - Crise diplomática na península coreana em 2013
  • 2013 - Navy Seals realizam uma incursão na Somália e, possivelmente, mataram um alto oficial do Al-Shabaab, simultaneamente, outro ataque ocorreu em Tripoli, Líbia, onde forças de operações especiais capturaram Abu Anas al Libi (também conhecido como Anas al-Libi) 
  • 2014 - Uganda: V-22 Ospreys, MC-130s, KC-135s e soldados americanos adicionais são enviados para Uganda para continuar a ajudar as forças africanas na busca por Joseph Kony.
  • 2014 - Iraque: intervenção americana no Iraque, centenas de soldados norte-americanos destacados para proteger os ativos norte-americanos no Iraque e para assessorar os combatentes iraquianos e curdos. Em agosto, a Força Aérea dos Estados Unidos realizou um lançamento aéreo humanitário e a Marinha dos EUA iniciou uma série de ataques aéreos contra as forças alinhadas ao Estado Islâmico em todo o norte do Iraque. 
  • 2014 - Síria: aeronaves americanas lançam bombas a uma base Estado Islâmico em Uqayrishah, Síria, conhecida como "Osama bin Laden". Em conjunto com este, duas dúzias de comandos americanos foram mobilizados para invadir a aldeia a fim de resgatar o fotojornalista James Foley. A operação não foi bem sucedida, com um soldado americano sendo ferido e James Foley sendo decapitado.

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Deus nos livre de um Brasil evangélico. Por Ricardo Gondim

Resultado de imagem para cristo redentor chorando
O texto não é meu. Pertence a um pastor evangélico, presidente de uma congregação e de uma federação de igrejas. Estudo o fenômeno do neo-pentecostalismo não como preconceito contra os fieis e seguidores - os crentes- mas sim como representação do poder intransigente, conservador e intolerante que se espalha pelo Brasil, encharcando a política atual e gerando um retrocesso que assusta até a uma parte do chamado "povo evangélico". 
O avance das igrejas e da direita mais conservadora deve levar a estudar o que significa tudo isto, e como vamos sair desse retrocesso em que estão afundando a sociedade e ao qual só parece estar contestando a juventude.
(JV)


Deus nos livre de um Brasil evangélico
Ricardo Gondim* 1º.07.2015
Começo este texto com uns 15 anos de atraso. Eu explico. Nos tempos em que outdoors eram permitidos em São Paulo, alguém pagou uma fortuna para espalhar vários deles em avenidas da cidade com a mensagem: “São Paulo é do Senhor Jesus. Povo de Deus, declare isso”.
Rumino o recado desde então. Represei qualquer reação à bobagem estampada publicamente; hoje, por algum motivo, abriu-se uma fresta em uma comporta de minha alma. Preciso escrever sobre o meu pavor de ver o Brasil tornar-se evangélico. Antes explico: eu gostaria de ver o Brasil permeado com a elegância, solidariedade, inclusão e compaixão do Evangelho. Mas a mensagem subliminar dos outdoors, para quem conhece a cultura do movimento evangélico, é outra. Os evangélicos sonham com o dia em que cidade, estado e país se convertam em massa, e a terra dos tupiniquins tenha a cara de suas denominações.
Afirmo que o sonho é que haja um “avivamento” religioso que leve uma enxurrada de gente para os templos evangélicos. Não reside entre os teólogos do movimento qualquer  desejo de que valores cristãos influenciem a cultura brasileira. Eles anelam tão somente que o subgrupo, descendente distante dos protestantes, prevaleça. A eles não interessa que haja um veloz crescimento numérico entre católicos romanos; que ortodoxos sírios, russos, armênios ou gregos se alastrem. Para “ser do Senhor Jesus”, o Brasil tem que virar “crente”, com a cara dos evangélicos. (acabo de bater três vezes na madeira).
Avanços numéricos de evangélicos em algumas áreas já dão uma boa ideia de como seria desastroso se acontecesse a tal levedação radical do Brasil.
Imagino uma Genebra calvinista brasileira e tremo. Sei de grupos que anseiam por um puritanismo não inglês, mas moreno. Caso acontecesse, como os novos puritanos tratariam Ney Matogrosso, Caetano Veloso, Maria Gadu? Respondo: seriam execrados como diabólicos, devassos e pervertedores dos bons costumes. Não gosto nem de pensar no destino de poesias sensuais como “Carinhoso” do Pixinguinha ou “Tatuagem” do Chico. Um Brasil evangélico empobreceria, já que sobrariam as péssimas poesias do cancioneiro gospel. As rádios tocariam sem parar músicas horrorosas como  “Vou buscar o que é meu”, “Rompendo em Fé”.
Uma história minimamente parecida com a dos puritanos calvinistas provocaria, estou certo, um cerco aos boêmios. Novos Torquemadas seriam implacáveis e perderíamos todo o acervo do Vinicius de Moraes. Quem, entre puritanos, carimbaria a poesia de um ateu como Carlos Drummond de Andrade?
Como ficaria a Universidade em um Brasil dominado por evangélicos? Os chanceleres denominacionais cresceriam, como verdadeiros fiscais, para que se desqualificasse Charles Darwin como “alucinado inimigo da fé”. Facilmente se restabeleceria o criacionismo como disciplina obrigatória em faculdades de medicina, biologia, veterinária. Nietzsche jazeria na categoria dos hereges loucos. Derridá nunca teria uma tradução para o português. O que dizer de rebeldes como Mozart, Gauguin, Michelangelo, Picasso? No máximo, seriam pesquisados como desajustados. Ganhariam rótulos para serem desmerecidos a priori como loucos, pederastas, hereges.
Um Brasil evangélico não teria folclore. Acabaria o Bumba-meu-boi, o Frevo, o Vatapá. As churrascarias não seriam barulhentas. A alegria do futebol morreria; alguma lei proibiria ir ao estádio ou ligar televisão no domingo. E o racha, a famosa pelada de várzea, aconteceria quando? Haveria multa ou surra para palavrão?
Um Brasil evangélico significaria que o fisiologismo político prevaleceu. Basta uma espiada no histórico de Suas Excelências da bancada evangélica nas Câmaras, Assembleias e Gabinetes para se apavorar. Se, ainda minoria, a bancada evangélica na Câmara Federal é campeã em faltas e em processos no STF, imagina dominando o parlamento.
Um Brasil evangélico significaria o triunfo do “american way of life”, já que muito do que se entende por espiritualidade e moralidade não passa de cópia malfeita da cultura estadunidense. Obcecados em implementar os “valores da família”, tão caros ao partido republicano dos Estados Unidos, recrudesceria a teologia de causa-e-efeito, cármica, do “quem planta, colhe”. Vingaria o sucesso como aferidor da bênção de Deus.
Um Brasil evangélico acirraria o preconceito contra a Igreja Católica. Uma nova elite religiosa (os ungidos) destilaria maldição contra os “inimigos da fé”, os “idólatras”, os “hereges”, com mais perversidade do que aiatolás iranianos. Ficaria mais fácil falar de inferno e mandar para lá todo mundo que rejeitasse algumas lógicas tidas como ortodoxas.
Cada vez que um evangélico critica a Rede Globo eu me flagro perguntando: Como seria uma emissora liderada por evangélicos? Adianto: insípida, brega, chata, horrorosa, irritante.
Prefiro, sem pestanejar, os textos do Gabriel Garcia Márquez, do Mia Couto, do Victor Hugo, do Fernando Moraes, do João Ubaldo Ribeiro, do Jorge Amado, a qualquer livro da série “Deixados para Trás” do fundamentalista de direita, Tim LaHaye. O demagogo Max Lucado (que abençoou a decisão de Bush bombardear o Iraque) não calça o chinelo de Mário Benedetti.
Toda a teocracia um dia se tornará totalitária. Toda a tentativa de homogeneizar a cultura precisa se valer de obscurantismo. Todo o esforço de higienizar os costumes é moralista e hipócrita.
O projeto cristão visa preparar para a vida. Jesus jamais pretendeu anular os costumes de povos não-judeus. Daí ele celebrar a fé em um centurião, adorador no paganismo romano, como especial e digna de elogio. Cristo afirmou que, entre criteriosos fariseus, ninguém tinha uma espiritualidade tão única e bela como daquele soldado que se preocupou com o escravo.
Levar a Boa Notícia – Evangelho – não significa exportar cultura, criar dialeto ou forçar critérios morais. Na evangelização, fica implícito que todos podem continuar a costurar, compor, escrever, brincar, encenar, como sempre fizeram. O evangelho convoca à pratica da justiça; cria meios de solidariedade; procura gestar homens e mulheres distintos; imprime em pessoas o mesmo espírito que moveu Jesus a praticar o bem.
Há estudos sociológicos que apontam estagnação quando o movimento evangélico chegar a 35% da população brasileira. Esperemos que sim. Caso alcançasse a maioria, com os anseios totalitários e teocráticos que já demonstra, o movimento desenvolveria mecanismos para coibir a liberdade. Acontece que Deus não rivaliza a liberdade humana, mas é seu maior incentivador.
Portanto, Deus nos livre de um Brasil evangélico.

Soli Deo Gloria
http://www.ricardogondim.com.br/meditacoes/deus-nos-livre-de-um-brasil-evangelico/

* Ricardo Gondim Rodrigues é teólogo brasileiro, presidente nacional da Igreja Betesda e presidente do Instituto Cristão de Estudos Contemporâneos. Tem programa de rádio e é colunista de vários veículos de comunicação. É autor premiado de vários livros e artigos polêmicos.
Ricardo Gondim nasceu católico de uma família que tem padres e freiras na árvore genealógica" e, contrariando as perspectivas familiares, ingressou na Igreja Presbiteriana, onde participou efetivamente e liderou a "União de Mocidade" onde "acreditava ser um dos eleitos" da "presciência" de Deus, crendo fielmente em todos seus dogmas calvinistas, até que teria recebido o batismo com o Espírito Santo e, segundo suas palavras, fora "intimado a comparecer a uma versão moderna da Inquisição", onde lhe pediram: "Peça para sair, evite o trauma de um julgamento sumário. Poupe-nos de nos transformarmos em algozes".
Por influência de seu "melhor amigo, presidente da Aliança Bíblica Universitária", ingressou na Assembleia de Deus, onde percebera que a mesma "estava engessada" e "sobrava legalismo", passando a denunciar, segundo o próprio, a "gerontocracia assembleiana". Afirma que rompeu com a "maior denominação pentecostal do Brasil" e passou a caminhar com a Betesda.
Seus ensinos rompiam com obrigações rigorosas dos Usos e Costumes. Ao escrever o livro "É Proibido: o que a Bíblia Permite e a Igreja Proíbe" em 1998, causou o costumeiro alvoroço em torno de suas polêmicas publicações. O livro hoje não é tão polêmico, dadas as aberturas provocadas pelo segmento protestante, por intermédio da Igreja Universal, mas Ricardo Gondim sempre está sob os olhos do público religioso com inovadoras publicações teológicas, tendo por último abraçado ensinos do Teísmo Aberto.

domingo, 30 de outubro de 2016

Algunas palabras o frases que usamos y no conocemos su origen


¡Ché, boludo! ¿vos sabés de dónde viene la palabra pelotudo?*

En las Guerras de la Independencia, los gauchos argentinos - también los uruguayos y los gaúchos del sur de Brasil- peleaban contra un ejército de lo que en aquella época era el Primer Mundo. Una maquinaria de guerra con disciplina de las mejores academias militares, armas de fuego, artillería, corazas, caballería, el mejor acero toledano, etc.

Nuestros gauchos enganchados en combate (los montoneros), de calzoncillo cribado y botas de potro con los dedos al aire, solo tenían para oponérseles pelotas (piedras grandes con un surco por donde ataban un tiento, bolas - las boleadoras- y facones, o cuchillos grandes - que algunos amarraban a una caña tacuara y hacían con ellos una lanza precaria-. Muy pocos tenían armas de fuego: algún trabuco naranjero, o alguna arma larga desactualizada.

¿Cuál era entonces la técnica para oponerse a semejante maquinaria bélica como la que traían los realistas? 
Pues la formación de combate: nuestros gauchos formaban en tres filas: la primera era la de los pelotudos, que llevaban las pelotas de piedra grande amarradas con un tiento. La segunda era la de los lanceros, facón y tacuara, y la tercera la formaban los boludos con sus boleadoras o bolas. 

Cuando los españoles cargaban con su caballería, los pelotudos, haciendo gala de una admirable valentía, los esperaban a pie firme y les pegaban a los caballos en el pecho, que de esta manera rodaban y desmontaban al jinete y provocaban la caída de los que venían atrás.

Los lanceros aprovechaban esta circunstancia y pinchaban a los caídos. Entonces, los boludos (que no eran tan boludos porque venían atrás) los rematan en el piso.

Así nacieron las dos palabras, antes tan poco aceptables socialmente, y ahora tan corrientes en el habla rioplatense: boludo y pelotudo, significando hoy, muy lejos de su origen, al tonto o zonzo.

Algunas otras palabras o frases que usamos

El origen da las palabras o las frases-hechas y dichos populares no huyen a las reglas de lo social y lo político. El habla popular, en cualquier parte del mundo, repite los prejuicios que se verifican entre las clases sociales, a veces de modo gracioso, otras de maneras más crueles.
Aquí traigo un par de ejemplos de lo que digo, extraídos del habla popular argentina - y si lo extendemos un poco, rioplatense, incluyendo al Uruguay-, con sus cruces con el viejo lunfardo del paso del siglo XIX al XX en la región de los puertos del sur.

La palabra "atorrante", por ejemplo, siempre con un fuerte contenido de desprecio social,  viene de cuando a principios del siglo XX la municipalidad de la capital federal argentina colocó unos caños enormes de desagüe en la costanera, justo en frente a la casa de gobierno en el nuevo barrio que hoy se llama Puerto Madero. Los caños traían una leyenda en la que se leía el nombre del fabricante: "A. Torrant et Cie", grabado en cada segmento de caño. Mientras no enterraban los dichos caños en su lugar, muchas familias de desocupados y sin techo se fueron a “vivir a los caños", pero también los acompañaron muchos sujetos perseguidos por la policía.

Así surgió la palabra que al principio definía a la gente que vivía “en los caños” – frase que también se popularizó - y más tarde, “atorrante” pasó a definir a toda persona pendenciera, vaga o de mal comportamiento.

Muy parecido es el origen de la palavra "croto", que proviene del nombre del ministro de Obras Públicas y Transporte, el radical José Camilo Crotto, que en la década de 1920 extendió un certificado de pobreza, cuyo portador podría andar gratis en los tranvías y trenes. Más tarde – siempre por prejuicios sociales, claro- se pasó a denominar con esa palabra a toda persona en estado de indigencia.

Otra frase que mi abuelita Eufemia repetía, seguramente sin saber su origen, dado que ella era bastante recatada, era "hasta que las velas no ardan".
Dicen los antigos que se originó en los prostíbulos de la Zwi Migdal **, cuando todavía no había luz eléctrica y los relojes eran todo un lujo. La cafiza le daba al cliente una o más velas, según lo que había pagado. Cuando las velas se gastaban, significaba que el turno con la polaca se le había acabado al cliente; o sea que se había quedado en la casa sospechosa "hasta que las velas no ardan".


Por otro lado, ya habrán oído decir, no solo en Argentina, como también en su versión en portugués que "a Seguro se lo llevaron preso". Lo que pocos saben es que la frase viene de lejos, exatamente de Jaén, en España, donde los presos eran encerrados en el Castillo de Segura de la Sierra. Antiguamente se decía "a la prisión de Segura se lo llevaron preso", como uma advertencia para no cometer delitos, de modo de no terminar con los huesos en Segura. Hoy en día significa que mejor prevenirse que curar, ya que nadie está libre de los azares de la vida.

     Quién oyó decir, en Argentina, que fulano "no quiere más lola" difícilmente se imagina el origen del término. Es que Lola se llamaba una galletita sin azúcar ni sal, que a inicios del siglo XX formaba parte de las dietas insípida de los hospitales. Por eso, cuando alguien moría, se solía decir que "ese ya no quiere más Lola". Desde entonces su uso se refiere a quien se cansó de luchar y no quiere seguir tratando de lograr cosas muy difíciles o imposibles.

El modo porteño – y recordemos que esta palabra viene de “puerto”, por lo tanto se extiende solo al habitante de Buenos Aires y no a todos los argentinos- de referirse a “tomar un colectivo” o “bus”, es "me tomé un bondi".

Se trata de un término que nació de una palabra usada en Brasil como derivación de "bond" (boleto, en inglés), que aparecía en los pasajes de los antiguos tranvías que las empresas británicas de transporte instalaron en São Paulo a partir de 1900, específicamente la “São Paulo Tramway, Light & Power Company”, o simplemente “Light”, compañía canadiense que dejó sus marcas fuertes en São Paulo y Rio de Janeiro.

Como en portugués las palabras terminadas en consonante – con excepción de “m” y “n”- agregan un sonido vocálico parecido a una “i”, "bond" se convirtió en "bondi". Pasado los años, los porteños la tomaron para referirse al ómnibus o colectivo, que nunca fue inglés ni canadiense, y en cuyos boletos jamás se leyó la palabra "bond".

J.V. São Paulo, 30 de octubre de 2016


*Ver: http://javiervillanuevaliteratura.blogspot.com.br/2012/08/las-miserias-de-la-zwi-migdal.html