sexta-feira, 18 de maio de 2018

Julieta Lanteri, una pionera del feminismo.

Imagem relacionada

En 1911 aun no estaba permitido el voto femenino. Para la elección de legisladores de ese año, Buenos Aires llamó, como era de costumbre, a la inscripción en los padrones. Podrían hacerlo los ciudadanos mayores de 22 años, residentes en el municipio, con ingresos provenientes de comercio, industria o profesión liberal, y que acreditaran pagar sus impuestos. Nada se decía en relación al género. 
Julieta Lanteri se dio cuenta del detalle, y se inscribió en la parroquia de su domicilio. Buenos Aires estaba dividida en parroquias por ese entonces. Era la Parroquia San Juan Evangelista del barrio de La Boca, y el dia de las elecciones, el 26 de noviembre de 1911, fue y votó. 

Julieta Lanteri, una pionera del feminismo.


Un 26 de febrero moría, en condiciones de dudosa procedencia la Dra. Julieta Lanteri. Fue la sexta mujer en recibirse de Médica en Argentina. La primer sufragista argentina y de Sudamérica, antes de las leyes de voto femenino, fundadora del Partido Feminista Nacional y una incansable militante de la causa feminista. Entre 1920 y 1932 fue vecina de Berazategui, y habitó la casona de Av. Mitre y 24, conocida hoy como “La Chaqueña”.

Su vida:

Nacida en 1873 en Piaggia, Piamonte, Italia, llegó a la Argentina a los 6 años de edad junto su familia. Obtiene en 1907 el título de Doctora, siendo la sexta mujer en obtener dicho título y en la primer inmigrante italiana en lograrlo en la Argentina. 
En 1904 había fundado la Asociación Universitaria Argentinas junto a otras estudiantes de la UBA, que forman un polo de resistencia para pelear por los negados derechos de las "mujeres estudiantes". Desde ese espacio forja su lucha feminista.



Al lograr su ciudadanía argentina en 1911, y ya con una corta pero sustanciosa carrera de lucha por el género, se presenta ante la mesa electoral de la Municipalidad de la Capital Federal y tras cumplir con los requisitos legales (que no especificaban que la mujer NO podia votar) ejerce el voto, convirtiéndose en la 1ª mujer que votó en Argentina y Sudamérica antes de existir las leyes de voto femenino.



Esta novedad la impulsa a crear el Partido Feminista Nacional en 1919, el primer partido político netamente femenino. Desde allí impulsará su candidatura a Diputada Nacional por la causa de la mujer.
En 1932, muere en un extraño accidente de tránsito al ser atropellada por un auto que perternecía a un miembro de la Logia Patriótica, el grupo paramilitar de la ultra derecha que defendía al gobierno de facto de Uriburu.



El libro de actas de la policía con su muerte es ilegible. Días después, su casa es vaciada y sus cosas son rematadas sin conocimiento público.
Su voz trató de ser acallada por la intolerancia política de entonces, pero su acción hoy vive más que nunca.


(Tomado de Museos de Berazategui)

El presidente de mesa en la cual Julieta dejó su voto, el Dr. Adolfo Saldías, dijo cuando la saludaba: “me congratulo en ser el firmante del documento del primer sufragio de una mujer en el país y en Sudamérica”.
Al día siguiente la noticia salió en los principales diarios del País, La Nación y La Prensa entre ellos.
Poco después, se sancionaba una norma prohibiendo el voto de las mujeres, justificándose en que el empadronamiento era propio del enrolamiento en el registro para el servicio militar. 
Julieta también lo intentó, pero no se le permitió enrolarse, aunque llegó hasta el Ministro de Guerra.
Julia Magdalena Ángela Lanteri, o Giulia Maddalena Angela Lanteri, nació en Briga Marittima, provincia de Cuneo, Italia, 22 de marzo de 1873. De muy chica emigró a la Argentina. 
Mediante permisos especiales fue la primera mujer en estudiar en el Colegio Nacional, luego se recibió de farmacéutica en 1898, y siempre con autorizaciones especiales, en  1907 se recibe de mádica, siendo la 5º. en lograrlo.  Cecilia Grierson había sido la primera.

Junto a su amiga Raquel Camaña, Elvira Rawson de Dellepiane, Petrona Eyle, Sara Justo, Cecilia Grierson y Adelia Di Carlo funda el primer Centro Feminista, y es organizadora del Congreso Femenino Internacional de 1910.

Incansable, la Lanteri como la llamaban en la época, quiso presentarse en 1919 como candidata a diputada. No se homologó su candidatura. Disconforme, organizó una manifestación que juntó a más de cuatro mil personas, donde se hizo un simulacro de votación que la hizo famosa entre todas las sufragistas del mundo.

Por ello, Juan B. Justo la incluye en  1920 junto a Alicia Moreau de Justo en la lista del Partido Socialista Argentino.

Su lucha no quedó trunca. Diversas mujeres la continuaron hasta que Evita Perón la toma, y pese a su predicamento, tuvo que rodear el parlamento con mujeres y adictos, afirmando que no se moverían de allí hasta que no fuera sancionada la ley que otorgaba el voto a las mujeres. 
Así, en 1947 es sancionada la Ley 13.010, que permitió a las mujeres acceder a las urnas, participando políticamente en el sistema democrático argentino.

Tomado del Blog https://rodolfoparbst.blogspot.com.br/2015/06/julieta-lanteri-la-primera-mujer-que.html

Imagem relacionada

terça-feira, 15 de maio de 2018

El corsario Jean Fleury y el tesoro de Moctezuma

Jean Fleury pirata

Tras la conquista de Tenochtitlán y la extensión creciente de los españoles en México, Hernán Cortés estaba preocupado porque las dos cartas de relación que había enviado al Rey no habían tenido respuesta. Por tanto, escribió nuevamente: una tercera carta de relación y otra de carácter privado en la que se quejaba que no se le contestase. Y las mandó por medio de dos de sus fieles, Alonso de Ávila y Antonio de Quiñones, acompañadas de un fabuloso tesoro - que pese al nombre popular ya no tenía nada que ver con Moctezuma, muerto el año anterior- compuesto por cincuenta mil pesos de oro (de los que nueve mil correspondían al quinto real), más de ocho mil kilos de plata (incluyendo una culebrina de plata maciza), abundante joyería, piezas de jade, una esmeralda en forma de pirámide cuya base era como la palma de una mano y perlas del tamaño de avellanas, entre otras maravillas.
También había cosas que podían ser curiosas en España, como por ejemplo capas de plumas, escudos decorados, papagayos, un trío de tigres - que así llamaban a los jaguares- y unos huesos gigantes que hoy se cree que quizá fueran de dinosaurio o de mamut.

El corsario Jean Fleury y el tesoro de Moctezuma

Autor: Juan Jesús Llodrá González para revistadehistoria.es

La llegada a Europa del tocado de Moctezuma, demostró que los descubrimientos realizados por Castilla iban más allá de unas simples islas frente a las Indias y aunque los Reyes Católicos intentaron mantenerlo dentro del máximo secreto, era cuestión de tiempo que el resto de potencias europeas quisieran explotar ese nuevo territorio.
En el contexto de la guerra italiana entre 1521 y 1526, en el que Carlos I y Francisco I se disputaban el control por el norte de la península itálica, junto a sus aliados, el Papa, la república de Venecia e Inglaterra, surge la figura del armador Jean Ango, que se convertirá en vizconde de Dieppe.
Jean Ango, entregó una flota compuesta por 6 naves a Giovanni da Verrazano, conocido como Jean Fleury en Francia y como Juan Florín o el florentino en Castilla, que obtuvo una patente de corso de Francisco I.
La zona de patrulla de Jean Fleury era un triángulo cuyos vértices eran las Islas Canarias, Islas Azores y cabo de San Vicente, ya que los pilotos no se atrevían a cruzar el Atlántico y esa era la zona de paso de los navíos para llegar a Castilla y Portugal.
Entre 1519 y 1521 Hernán Cortés realiza la conquista de México, consiguiendo un gran botín con el cual quiere obtener el perdón real y el título de gobernador de los territorios conquistados, pero una revuelta azteca le obliga a huir de Tenochtitlán en la conocida como “Noche triste” donde se perderá una gran parte del botín.
Tras la victoria de Otumba en julio de 1520, en la que se alabó el valor en la lucha de María de Estrada, Hernán Cortés autoriza al tesorero Julián de Alderete a que usara cualquier método para que los aztecas revelaran donde tenían sus tesoros, llegando a quemar los pies del emperador azteca Cuitlhuac con aceite hirviendo.
La respuesta del emperador fue que todas las riquezas habían sido arrojadas al lago que rodea la ciudad junto a las armas abandonadas por el ejército de Cortés tal y como confirman las investigaciones arqueológicas que han descubierto las armas, pero no las riquezas.
En 1521 embarca todas las riquezas en una flotilla de 3 naves que zarpó de San Juan de Ulúa bajo malos augurios: ya que los indígenas maldijeron las naves y el tesorero Julián de Aldarete murió en los inicios del viaje, sospechándose de un posible envenenamiento debido a la mala relación que tenía con Cortés, y los tres jaguares, que se enviaban como animales exóticos, debieron ser sacrificados después de que uno se escapará de su jaula y matará algunos marineros.
La flota transportaba un tesoro formado por entre 50.000- 88.000 castellanos en barras de oro, 8.000 kilos de plata, joyería variada, una pirámide de esmeralda que tenía una base como la palma de una mano, perlas del tamaño de avellanas…, de las que un quinto correspondía a la corona y el resto debía repartirse entre diversas personalidades.
Jean Fleury, ataca la flota cerca de las Islas Azores en un combate desigual, ya que el capitán Martín Cantón entrego la nave sin combatir, Juan Ribera al mando de la “Santa María de la Rábida” consigue huir llegando al puerto de Santa María (Cádiz) donde la nave fue confiscada por el obispo Juan Rodríguez de Fonseca. Únicamente la nao y el bergantín comandados por Domingo Alonso de Amilibia, que había ido con una flotilla de una nao, una carabela y un bergantín para proteger a la flota fue la que presentó batalla, siendo gravemente herido y hecho prisionero junto a Alonso de Ávila.
Jean Fleury consigue hacerse con la mayor parte del tesoro, incluso algo más valioso que el oro, los mapas dibujados por los pilotos castellanos con las rutas y los vientos dominantes para llegar a los nuevos territorios que facilitaron las expediciones de ingleses y franceses hacia América.
Jean Fleury entregara parte del tesoro al rey de Francia, y otra parte al armador Jean Ango que se expusieron en una fiesta en 1527 en su mansión y que utilizó posteriormente para construir una gran residencia de verano, Varegeville-sur-Mer, financiar arreglos en la iglesia de Dieppe e intentar aumentar sus riquezas patrocinando viajes de descubrimiento.
El rey de Francia, Francisco I hace ostentación del tesoro a la vez que denuncia el tratado de Tordesillas firmado entre Portugal y Castilla, exigiendo al rey de Castilla, Carlos I que enseñe el testamento de Adán donde le hace heredero de esos nuevos territorios.
Carlos I reacciona concediendo patentes de corso contra franceses e ingleses, siendo capturado Jean Fleury en 1527 por la flota comandada por Martin Pérez de Irízar, conocido como Martín de Rentería, ofreciéndole Fleury la cantidad de 30.000 ducados de oro si lo dejaba en libertad.
Fleury fue conducido a la casa de contratación de Sevilla, y se mandó aviso a Carlos I de su apresamiento y de la pena a la que debía ser sometido, a lo que Carlos I contesto que fuera ajusticiado allí donde se encontrara al recibir la respuesta, pues el prisionero era conducido a presencia del rey.
En 1527 fue ajusticiado en la villa de Colmenar de las Arenas, actual Mombeltrán y se concedió a Irízar el derecho a incorporar tres flores de lis a su escudo heráldico para recordar la victoria contra Fleury por capturar con un galeón propio dos galeones al corsario.
Este hecho provocó que a partir de 1522 todos los barcos que comerciaran con América tuvieran que ir artillados y a partir de 1526 agrupados en flotas, estableciéndose el sistema definitivo de flotas en 1561 que estaría vigente hasta 1778.
Autor: Juan Jesús Llodrá González para revistadehistoria.es

A glória e a decadência da Espanha

Foto: Mural de Diego Rivera, uno de los 'contibuyentes' a la leyenda negra de España.

Mural de Diego de Rivera.

A glória e a decadência da Espanha

“Sus aderezos de guerra son todos de hierro: de hierro se visten, hierro ponen como capacete a sus cabezas, hierro son sus espadas, hierro sus arcos, hierro sus escudos, hierro sus lanzas.”
(Miguel León Portillo –do livro: “La Visión de los vencidos”, pag. 42)
Texto de Artur Alonso Novelhe
Com a chegada em 1519 de Hernan Cortes, a México, inicia-se o maior ponto de expansão do Império Espanhol de Ferro, que começaria a declinar, já sem remédio, quando os Índios Pueblo conseguissem, em 1680 expulsar aos colonizadores durante um período de 12 anos.
O Império espanhol se tinha habituado a imposição, pela força, da sua vontade. Nada de diferente, do que as culturas Nahualt tinham testemunhado, no poder do Grande e Terrível Senhor asteca, agora na figura do novo Tlatoani Moctezuma (amado e temido à vez). Habituou-se pois bem o Império Espanhol a impor seu poder no período mais álgido da Era da Guerra, na época a Ferro.
…Replicaron los indios que no querían consejos de gente que no conocían, ni menos acogerlos en sus casas, porque les parecían hombres terribles y mandones, y que si querían agua, que la cogiesen del río o hiciesen pozos en la tierra, que así hacían ellos cuando la necesitaban. Entonces Cortés, viendo que las palabras estaban de más, les dijo que de ninguna manera podía dejar de entrar en el lugar y ver aquella tierra, para tomar y dar relación de ella al mayor señor del mundo, que allí le enviaba; por eso, que lo tuviesen por bueno, pues él lo deseaba hacer por las buenas, y si no, que se encomendaría a su Dios, a sus manos y a las de sus compañeros”
(La Conquista de México – López de Gómara)
Mas o Império castelhano, que tinha crescido e aumentado seu território de forma pavorosa, no recurso à espada, para pasmo do mundo conhecido; tinha um grande talão de Aquiles, na sua disposição diplomática e estratégica. Dos três tabuleiros que dominam o mundo e são precisos para sua manutenção temporal: Militar – Económico e Científico Cultural; Castela somente controlava o militar (com uma certa preponderância imposta no cultural – religioso, em aliança com o Papado).
A 29 de novembro de 1596, na época do rei Felipe II, o governo da sua majestade, decretava sua terceira bancarrota, após das de 1557 e 1575. O Imperador tinha recebido como herança um monte de dívidas e ia, a sua vez, aumentar por quatro o volume da mesma, no fim do seu reinado.
O renascer cientifico – tecnológico, e o grande capital humano, podemos quase afirmar iam de mãos dadas com a comunidade judia, que os Reis Católicos tinham expulsado de Espanha, pelo Édito de 31 de março, de 1492. Suas católicas majestades, fieis herdeiros do Concílio de Latrão de 1215 e, da inflamada campanha de conversão de judeus, feita por frades franciscanos e dominicanos em 1391 (que rematou com pilhagens em diferentes bários judeus, dando a escolher a seus habitantes entre a morte e o batismo); escolheram finalmente retirar do seu reino a possibilidade de converter-se no centro cientifico – tecnológico e cultural do mundo, continuando com a estela 2 de Janeiro de 1412, quando, no Reino de Castela, foi imposta, pelas Cortes de Valladolid, uma lista de restrições que passaram a regulamentar as relações entre cristãos e judeus, minando a economia da comunidade judaica, e reduzindo drasticamente suas liberdades.
Não foi pois de estranhar que os grandes recursos materiais, com a chegada de grandes quantidades ouro e prata, dos territórios além-mar, a finais do século XVI, não houvessem permitido uma maior entrada do Renascimento Italiano na Espanha. Finalmente, enquanto a Europa central e do Norte, junto com a Inglaterra, aderiam a Reforma, a Espanha afirmava-se de novo como a grande impulsora da Contrarreforma, que travou definitivamente o avanço cientifico – tecnológico e a revolução renascentista, ajudando à aumentar a espiral de involução imperial, ao invés da sua evolução.
México, tornar-se ia com o tempo, no grande prejudicado: filho da contrarreforma, teve que admirar como as províncias britânicas da Norte-Americana (herdeiras da reforma) se consolidariam como a futura grande nação do continente Americano, atingindo no seu raio de expansão o 55% da República Mexicana; ficando definitivamente a formar parte dos EUA, os territórios mexicanos de: Texas, Califórnia, Nuevo México, Utah e Nevada. Apesar do Império asteca, ter maiores possibilidades de produzir uma civilização nova, em mistura, com o trepidante poder militar do bravo impulso espanhol. Se a história não houvesse atraído ao mundo nahualt, em decadência, um império novo virado para a involução.
A sua vez, a partires da expulsão de 1492 através do Decreto de Alhambra, os judeus, emigraram em massa a Portugal, grande poder econômico, comercial e tecnológico-marítimo do século XVI. Mas a obriga de conversão ao catolicismo, em 1496/97 durante o reinado de D. Manuel I, e a posterior entrada em funcionamento do Tribunal da Inquisição, em 1540, aconselha a comunidade judia a mudança a Amesterdão; ajudando a construir durante todo o século XVII, o famoso século de Ouro da Holanda.
Já em 1656, o Rabino Menasseh ben Israel de Amsterdão (em realidade Manuel Dias Soeiro, natural da Ilha da Madeira) fez umha visita a Inglaterra, com o intiuto de persuadir Oliver Cromwell a autorizar os Judeus a se estabelecerem no seu pais. Os judeus estavam prontos a ajudar a Grã-Bretanha, a tornar-se o grande império global do século XIX. Benjamin Disraeli, como o mais amado Primeiro-ministro, da Rainha Vitoria, foi garante dessa velha aliança, que permitiria ao movimento sionista judeu, acariciar e finamente conseguir a realização do Estado de Israel, fervorosamente apoiado, antes e após a II Guerra Mundial, por figuras como Winston Churchill.
Espanha ficou presa e refém dessa velha e triste história, e as elites espanholas, já nunca foram capazes de liberar-se dessa “negra sombra” que sempre perseguiu os intentos renovadores no reino; sendo que os grandes nomes espanhóis, que legaram grandes valores à humanidade, tiveram que lutar duplamente: pela sua formação e contra umas elites medrosas a toda forma de progresso.
Entre 1808 ate 1829, as guerras pela Independência na América do Sul, vão mostrar de novo o erro da geopolítica espanhola, atrelada ainda velha visão imperial. Simão Bolívar, não pode conseguir seu sonho de criar a Grande Colômbia, mas sua aventura heroica, ficará na memória coletiva do pensamento insurrecto, duns povos com demasiados séculos de opressão às costas. A Inglaterra, será de novo a grande beneficiara, das independências da América hispana; passando os novos Estados de Sul América, a dependência económica de Londres.
A independência do Brasil, forjada num apanho familiar da casa de Bragança, com o cenário de fundo, primeiro da invasão napoleônica a Portugal, e depois da revolução liberal de 1820… Não vai permitir livrar o Brasil da dependência econômica da Inglaterra; mais vai permitir manter toda a soberania territorial intacta (detalhe que vai trazer na pratica ao gigante sul americano, a oportunidade de ser o futuro motor econômico, cientifico e tecnológico de toda a América do Sul).
A impossibilidade de realização da Iª República de 1873 e a perda de Cuba, em 1898, demonstrou que a Espanha não tinha compreendido ainda, a lição do velho império em decadência que já clamava pela renovação.
A IIª República espanhola, faleceu, entre a pressão de duas forças igualmente involutivas: o fascino e o estalinismo. Mas ninguém pode negar que foi um breve momento de ressurgir da esperança. Todos e todas, os grandes homens e mulheres, que Espanha deu ao mundo, nas letras, nas artes, nas ciências, durante finais do século XIX e inícios do século XX, foram transmissores desse pensamento humanista, altruísta, virado para a bondade e a beleza da vida; que sem dúvida alumiou o sonho duma II República, onde todos os povos, línguas e culturas da Espanha tivessem cabida.
Franco voltou a impor o “Poder Negro” das igrejas tristes, as catedrais escuras e formação católica como única via garante, da unidade linguística e cultural, com supremacia castelhana. A maiores trouxe também o poder de impunidade das elites e sua hipocrisia (somente a essas elites era permitida o desvio e mesmo a perversão da norma férrea de convivência).
A transição iniciada em 1976, culminada com a Constituição de 1978, deu para evitar um confronto entre as distintas visões de velha e a renovada Espanha, mas não para solucionar os problemas acumulados dentro da gaveta: entre eles o territorial.
Em inícios da década de 90, Espanha se expandia econômica, industrial e comercialmente ao sul da América. A comunhão entre as elites e um Partido Socialista, que na época de Felipe González, tinha impulsão o desenvolvimento econômico, industrial e científico-tecnológico do Estado, conseguindo dar um pulão importante a reconhecimento global marca Espanha, não somente na Europa, senão no mundo; culminando com os Cimeiras Ibero-Americanas, fizeram sonhar alguns com o auge da nova Espanha (sem no fundo ter necessidade de mudar, a velha visão pequeno imperial).
(...)
A aliança Aznar – Blair – Bush, e a louca tentativa de impor um mundo unipolar anglo-saxão, onde Espanha se situaria na vanguarda, como vigia garante do poder atlântico no sul do continente americano, remataria no fracasso das guerras de Iraque a Afeganistão.
A maiores a crise de 2008, desfazia o sonho espanhol, duma economia diversificada, eficaz e com projeção global. A realidade duma economia ainda muito dependente do mercado interior e, a maiores, muito exposta no sector imobiliário, trouxe uma contração já não possível de levantar, na errada visão da transição ter solucionado, o ainda não possível, encaixe entre as duas Espanhas.
Mas, no final do conto, a história sempre oferece oportunidades para aqueles que sabem fazer leitura certa, do acontecer atual projetando-se sobre o futuro.
O Império Ocidental está em decadência. O velho paradigma de integração e sustento da Pax Ocidental, desde a abertura das rotas marítimas, por todo orbe, por parte de Portugal e Espanha; as grandes transformações na mentalidade global humana, desde o renascimento ao iluminismo, dentro do racionalismo ainda imperante neste Império (tão precisas para a evolução humana daquela época), estão agora em contração. Um novo paradigma se impõe necessário, em todo o mundo. O velho centro geográfico ocidental, decai inevitavelmente, aos poucos. Novos focos no mundo terão de renovar e criar um novo paradigma, vital para evolução humano nos próximos três séculos.
Neste novo cenário de renovação, transição e incerteza, a América do Sul, aos poucos, terá que ir encontrando seu modelo de confraternização (com as achegas de toda a população, esquerda e direita). Um modelo que lhe permita definitivamente superar os velhos modelos de dependência cultural e econômica. Esse novo modelo, não vai ser possível, válido nem real, repetindo velhos erros: todas as culturas, línguas e povos… Todas as visões terão de ser integradas, no novo e grande projeto Sul-Americano, que sim dúvida deverá liderar o Brasil (pais cuja extensão, demografia, biodiversidade e situação geográfica, lhe dota para ser o grande inovador). Mas Brasil deve primeiro realizar a grande, difícil e persistente tarefa, de ultrapassar seus próprios e autodestrutivos confrontos. Deverá eleger um modelo mais justo, fraterno, solidário, ecologicamente e social sustentável. Isto levará seu tempo. Mas é precisamente esse tempo, que lhe proporcionará a Espanha e Portugal, a possibilidade de ajudar fraternamente a nossos irmãos do sul. Tendo a maiores Portugal a oportunidade de elevar sua ajuda a África e Oceania.
Para isso ser feito, na Península celtibérica, é preciso mudar a velha visão de imposição pela força, seja econômica, cientifica – tecnológica ou cultural, dum povo sobre outro.
E dentro deste marco, a Espanha coube-lhe o difícil, esforçado, mais prometedor movimento, de lutar contra suas forças imobilistas internas, e abrir seu coração para as nações, culturas e línguas que a integram. Permitido na prática a sobrevivência das línguas não castelhanas (sendo o problema linguístico o motor e eixo primordial, das tensões territoriais).
E isso não pode ser feito, sem na partida permitir que essas línguas sejam, nos seus respectivos territórios, as línguas em destaque no âmbito cultural, cientifico, institucional e social. Si essa mudança não puder ser realizada, nunca haverá sossego duradouro no reino da Espanha.
Esse é o caminho, que pode possibilitar, servir de exemplo, e ajudar na transformação da América do Sul numa grande criadora duma nova realidade para uma nova humanidade.
Desejo que a Espanha não perda este trem, tão importante para o destino futuro da humanidade. Seja realmente grande no coração, e deixe para sempre o Ferro, o medo e fúria, que fez efemeramente grande; para passar a ser com o Amor e Sabedoria, daqueles que saber dar sem aguardar a receber, realmente Grande.
Artur Alonso Novelhe

Artur Alonso Novelhe

Galego, mas nascido no México, é diplomado pela Escola Pericial de Comércio de Ourense. Exerce como funcionário do Serviço Galego de Saúde do Governo da Galiza. Publicou várias obras de poesia e colabora habitualmente com diferentes publicações, entre as quais o PGL. É sócio da Associaçom Galega da Língua (AGAL) desde os meados dos anos 80 e acadêmico da AGLP.

sábado, 21 de abril de 2018

Muçulmanos, judeus e cristãos na santa paz.



Resultado de imagem para Musulmanes, judíos y cristianos en al-andalus

Muçulmanos, judeus e cristãos na santa paz

Em tempos do domínio do Império Romano na região - 200 a. C a 400 d.C.-, a então província chamada Hispânia era uma das mais florescentes. Os visigodos, um dos últimos povos bárbaros que invadiram o território e se implantaram em torno de 560 d.C., porém, foram um fracasso administrativo e quando os muçulmanos chegaram, em 711, a península vivia um período de total desorganização e dispersão política, assim como de aridez cultural e tecnológica. 

A dinastia Umayyad promoveu a partir desse momento uma verdadeira mudança nos territórios conquistados. Os campos foram renovados com a introdução de novas culturas e técnicas de irrigação. O comércio com o Oriente cresceu, e a arquitetura conheceu então o seu melhor momento de transformação criativa com a construção da mesquita de Córdoba; nela, os Umayyads reafirmaram sua tradição de uso e aproveitamento criativo dos elementos que eram oferecidos pelas culturas locais dominadas.

A mesquita que Abd al-Rahman levantou em sua nova capital tinha um estilo que lembrava nostalgicamente à Síria, terra natal do príncipe exilado que ele jamais voltaria a pisar. Mas também incorporava traços fortes da arquitetura romana e gótica. Até os arcos de meio ponto, em forma de ferradura, que hoje são considerados como protótipos islâmicos são na realidade também representativos da arquitetura da Espanha romana e gótica - dos godos- pré muçulmana.

Mas essa Espanha ideal, entre os séculos VIII e XV - onde a convivência pacífica entre cristãos, muçulmanos e judeus criou uma sociedade avançada em plena Europa medieval, chamada oelos árabes dos “povos do livro” - terminou abruptamente nos mesmos dias em que Cristóvão Colombo se preparava para partir do Porto de Palos com destino a um continente que não imaginava que iria a se atravessar no seu caminho às Índias.

Nesses meses, um número enorme de pessoas chamadas de “sefaraditas” ou “sefardis” (nome hebreu que davam a si mesmos os moradores judeus da Hispânia) corria em desespero aos portos do sul da península em busca dos navios que os levariam a destinos quase tão incertos como os do navegante italiano ao serviço da coroa espanhola. 

Os judeus da Espanha – ou de Sefarad, como eles chamavam a nação em formação – ficaram obrigados nesses dias, por meio de um decreto real (na realidade fala-se de três decretos, um de Isabel de Castela, outro de Fernando de Aragão, e um terceiro de ambos os monarcas), a escolher entre a conversão à “verdadeira fé’’ católica ou partir para o exílio. 

O ano de 1492, que aparece marcado nos calendários como o da descoberta da América, representa também para os judeus da Espanha um triste marco final. Isabel e Fernando, os mesmos monarcas que patrocinaram o marinho genovês Cristóvão Colombo para encontrar uma rota alternativa para o Extremo Oriente, também cortaram de vez uma das mais ricas experiências culturais e de tolerância religiosa na história do ocidente.

O livro "O ornamento do mundo – como muçulmanos, judeus e cristãos criaram uma cultura de tolerância na Espanha medieval", de María Rosa Menocal, detalha essa época crítica e fascinante e a reconstroi com saborosa precisão.
Professora de literatura espanhola e portuguesa na Universidade de Yale, onde dirige o Centro de Humanidades Whitney, María Rosa Menocal possui uma obra vasta que inclui estudos que tratam da influência árabe sobre a cultura medieval europeia. 
"O ornamento do mundo" foi escrito com o objetivo de fazer mais acessível ao leigo o mundo das suas pesquisas acadêmicas. A leitura leva o leitor ao conturbado país conquistado pelos muçulmanos no que naquela época era o extremo desconhecido da Europa Ocidental – o Finis Terrae-, durante a Idade Média. Um mundo que teve tristes episódios de obscurantismo religioso e de forte intolerância racial fundamentalista, mas que também brilhou de um modo ímpar nos claustros da cultura e das ciências facilitados pelos árabes ibéricos.

É que a Idade Média, sobretudo no território da Espanha atual, não se resume a senhores feudais, pestes mortais e cruzadas fundamentalistas. A Espanha islâmica – chamada de al-Andalus em árabe, o que dá o nome da região sul do país, Andaluzia – era a vanguarda cultural e científica da Europa na época. Sobretudo, era um espaço de convivência pacífica e de intercâmbio criativo entre as três grandes religiões monoteístas, o islamismo, cristianismo e judaísmo.

Para melhor definir a Espanha medieval, a autora utiliza uma caracterização do escritor estadunidense F. Scott Fitzgerald, o romancista autor de "O Grande Gatsby", que escreveu que “o teste de uma inteligência de vanguarda é a habilidade de ter em mente duas ideias opostas ao mesmo tempo”. Al-Andalus teria sido, portanto, um “lugar de vanguarda”, que conseguiu conjugar não só duas, mas várias ideias que até hoje se mostram aparentemente em conflito. 

Um exemplo é a combinação sincrética de estilos arquitetônicos do período de dominação árabe na Espanha. Os palácios construídos por monarcas cristãos, como o Alcazar (do árabe para palácio, "al-qasr"), de Sevilha, erguido por Pedro o Cruel, no século XIV, mostram a influência da arquitetura e da decoração muçulmanas, com os arabescos e arcos de meio ponto característicos. Na mesma época, uma sinagoga levantada em Toledo, e transformada no convento de Santa Maria La Blanca depois da expulsão dos judeus, tinha seu interior decorado com frases em língua árabe, algumas delas extraídas do Al Corão, o livro sagrado do islamismo. Mas esses são exemplos tardios, já próximos do ocaso de al-Andaluz. 

A saga do sincretismo cultural começou muito antes, já no século VIII. Em 711, os primeiros muçulmanos atravessaram o estreito de Gibraltar e entraram com relativa facilidade no território até então dominado pelos visigodos, povo germânico que saqueou Roma em 410. Teriam ido ainda mais longe, se não fossem detidos pelos francos, ao norte dos Pirineus – lembrar do mordomo que, a falta de um rei, parou sozinho na longa batalha de Poitiers em 732 a tentativa das tropas árabes-. O domínio muçulmano concentrou-se na península ibérica, que ainda assim, nunca chegou a ser completamente islâmica, já que algumas regiões mais agrestes ao norte e noroeste montanhoso permaneceram baixo o domínio cristão.

Em 755 chega a al-Andalus Abd al-Rahman I, que era o único sobrevivente da família Umayyad, que até então ocupava o califado – o reinado político-militar e espiritual sobre o mundo muçulmano. Os Umayyads haviam sido depostos e ainda assassinados pela dinastia dos Abbasids, que em seguida levaram o califado para o leste, de Damasco para Bagdá. Abd al-Rahman estabeleceu seu reinado em Córdoba, onde depôs o emir governador provincial. O al-Andalus permaneceu como o emirado mais ocidental do gigantesco império islâmico, embora que a autoridade dos Abbasids não se fizesse ouvir no leste, onde realmente estava o centro do poder islamita.

Continuará.

JV. São paulo, 22 de abril de 2018.

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Os movimentos separatistas na Espanha

Os movimentos separatistas na Espanha
Marina Parra: Os movimentos separatistas na Espanha
¡Hola a todos!
Ultimamente, temos visto muitas notícias sobre a possível extradição para a Espanha do presidente da Catalunha, Carles Puigdemont. Isso tem a ver com o movimento separatista da Catalunha, um dos maiores e mais noticiados desse país nesta década até agora.
Mas, além da Catalunha, alguém aqui lembra que na Espanha existem outros movimentos que querem a independência dos seus territórios? Em terras hispano-ibéricas, há alguns movimentos de caráter nacionalistas. Cito alguns deles: o da Catalunha, o do País Basco, o de Navarra e o da Galícia. Vejam melhor na imagem abaixo onde cada um se localiza.
Por que existem tantos assim no território espanhol? Para gente entender o que acontece hoje, temos que entender como está organizado o sistema político espanhol e voltar um pouco no tempo.
A configuração territorial atual do estado espanhol tem suas raízes em uma história complexa, que começa com a divisão provincial romana e termina com o atual estado de autonomia, definido na Constituição de 1978.
O território espanhol é organizado e dividido em 17 comunidades autônomas, além das cidades autónomas de Ceuta e Melilla. Cada comunidade é uma região para a qual a Constituição espanhola de 1978 reconhece e garante o direito de autonomia. Essas comunidades são, por sua vez, formadas por uma ou várias províncias que possuem uma organização política e econômica comum.
Cada comunidade tem um parlamento e um governo autônomo, que organiza os assuntos da Comunidade. O governo autônomo tem o poder executivo e é liderado por um presidente, que é eleito pelos representantes no Parlamento. Como eu já comentei lá em cima, Carles Puigdemont era o presidente catalão, já que foi destituído recentemente pelo governo espanhol.
O Estatuto de Autonomia de uma Comunidade é a lei mais importante, pois define as competências autonômicas, estabelece a capital, a língua oficial e o território. Por sua vez, o estado nacional é responsável pela economia e pela política externa. Em nenhum momento as leis de uma Comunidade Autônoma podem contradizer a Constituição espanhola. Isso permite que cada comunidade tenha leis diferentes que sejam consistentes com suas realidades, mas sem passar por cima dos padrões do governo central.
Pois bem, muitas regiões espanholas possuem, há séculos, o desejo de reforçar sua própria cultura, língua, tradições e identidade coletiva, além de alegarem razões econômicas.
Vou citar abaixo os dois mais conhecidos, pelo menos para nós aqui no Brasil, pois são os que mais saíram na mídia nos últimos anos.
O movimento de independência da Catalunha se baseia primeiro na história da região, e seu parlamento tem uma história que remonta à Idade Média. Por várias vezes, em muitos séculos, houve tentativas de tornar o território catalão independente, mas sempre foram sufocadas por reis, e, em 1931, restauraram a Generalitat. Os governantes espanhóis sempre proibiam, acima de tudo, falar o idioma catalão, impondo as leis espanholas e o ensino era exclusivo do espanhol.
Além do movimento da Catalunha, talvez o movimento de independência basco seja igualmente conhecido no mundo. O País Basco – Euskadi, em basco – é a terra natal de uma das aldeias mais misteriosas e únicas da Europa.
Os bascos são descendentes das tribos que habitavam a península Ibérica muito antes da chegada dos romanos. Eles falam uma língua isolada: na verdade, o euskera é uma das línguas mais complicadas do nosso planeta. Os Aliados o usaram durante a Segunda Guerra Mundial sem que os nazistas pudessem compreendê-lo.
A região sempre teve aspirações para obter a soberania completa. Vários grupos tomaram a linha armada para obtê-la nos séculos XX e XXI, e talvez o mais conhecido entre todos seja o ETA, considerado um grupo terrorista e que usava muita violência. Em 2011, o ETA encerrou sua atividade armada.
Bom, depois deste panorama sobre como a Espanha se organiza, se você ler uma notícia sobre algum movimento separatista em terras espanholas, já terá uma noção do porquê tudo isso acontece, não é?
Fico por aqui!
¡Besos y hasta la próxima semana!

quinta-feira, 19 de abril de 2018

Pimba na gorduchinha e bola na rede!

Resultado de imagem para bola na rede

https://www.facebook.com/mariacristina.goncalespachecobarrionuevo?fref=ufi 

Tomado de M. Cristina Pacheco Barrionuevo:

Ontem comecei o dia meio chateada porque pela primeira vez não ganhei presente da minha mamis porque logicamente não lembrou e mesmo eu explicando que era meu dia, não entendeu. Mas, com tanta força, saúde, paciência e outros tantos superpoderes que Deus me deu, não posso me lamentar por detalhes. 
Eu adoro crônicas e há 5 anos, quando completei 50, escrevi esse texto que posto novamente como agradecimento pelas mensagens que tantos me enviaram pelo meu aniversário. Espero fazê-los sorrir.
Beijos a todos! Ano que vem, lembrem de mim novamente!


"Passando pra o segundo tempo da vida e sendo brasileira me pareceu inevitável refletir sobre a paixão nacional.
No primeiro tempo de qualquer jogo, há inevitavelmente uma enorme dose de surpresas. Por mais bem preparado que o jogador esteja, não se sabe como será a partida. Como ele se entrosará com a equipe e como será esse encontro com o adversário? Você sabe que é o atacante do seu time, mas tem momentos em se entende o Ronaldo na final da Copa com a França. Apesar de ser o melhor do mundo, amarelou, sem explicações. Mas também tem dias em que você decide se transformar na nova promessa mundial. Pode passar de atacante meia boca a ser considerado um novo Pelé.
Nesse primeiro tempo o jogador vai sentindo a cada minuto o que fazer com o jogo. Sente suas falhas e também as dos outros jogadores, tanto do seu time como do adversário. Vai vendo por onde atacar com mais velocidade, facilidade, enfim, vai criando táticas e vendo o que pode ser feito. O que dá certo ou não. Arrisca alguns bons chutes e pode até fazer alguns gols. Ou não.
No segundo tempo o assunto muda. Já sabemos muito do que deu certo e o que deu errado. Já sabemos as condições do campo, as metas a serem alcançadas, se o Sol vai dar de frente pra o seu olho ou o do adversário. Enfim, teremos vantagens pra usar.
Isso não quer dizer que não teremos surpresas: o time adversário inteiro pode ser mudado e até o Sol que você contava como aliado pode ter ido embora e cair um terrível pé d’água. Não importa. O que mais vai contar na verdade é como você aproveitou a experiência do primeiro tempo e a sua decisão de como entrar pra o segundo. Uma certeza vai te acompanhar: não dá pra bobear mais. Não vai ter terceira chance. Alguns minutos de prorrogação, ok, mas isso não é terceira chance, é lambuja, que alguns jogos têm, mas a maioria não.
O jogo que eu escolhi não foi nem pelada nem de várzea. É jogo duro, final de mundial. Todos os jogadores que me acompanham são únicos, experientes, cheios de momentos pra mostrar, surpresas, aflições, gols pra todo lado, baixas por machucados, roxos, contusões de todo tipo. Alguns, ou melhor, vários cartões vermelhos.Trocas de jogadores, gritos de emoção e desespero. Alguns pega-pra-capar com outros jogadores: do mesmo time e do adversário. Volta à calma e recomeça a emoção. Coisas insólitas: rojão no meio do olho do goleiro, cachorro perdido no meio do campo. Não importa: final de mundial não se cancela por nada. Alguns minutos de suspensão do jogo, recoloca-se tudo no lugar e a redonda corre de novo... Confesso que pedi algumas vezes pra sair e dar uma descansada. O treinador não me deu bola. Ainda gozou da minha cara pelas costas que eu vi. Quando acabar o jogo vou lá tirar satisfação.
Nesses breves momentos antes de voltar lá pra o campo, enxugando a cara vou me animando com os gritos da torcida. Não sei se é da minha cabeça, mas parece até que escuto claramente meu nome sendo ovacionado. Legal, mas dá medo também. Melhor esse pessoal parar de gritar meu nome que é capaz de eu subir pro campo e terem colocado 3 pra me marcar e as minhas canelas já estão roxíssimas de tanto pontapé, tive até que trocar a camiseta, tava rasgada. De repente me dá uma ponta de tristeza lembrar que alguns familiares me avisaram que não vão ficar até o final do meu jogo, vão sair antes.
Olhando bem não são só as minhas canelas que estão machucadas, vou ter que me besuntar inteira com gelol, na verdade. Tudo bem, foi a tática que eu escolhi, sempre cavar falta, adoro fazer gols."

M. Cristina Pacheco Barrionuevo, São Paulo, 18 de abril de 2018.